As 10 gemas mais raras do mundo

Gemas são o reflexo do status da vida de uma pessoa. Quanto mais rara, mais desejada ela se torna. Esse é o motivo dessas rochas e minerais aparentemente inofensivas comandar um mercado de milhões de dólares. No lado sombrio, elas também são a causa de exploração de mão de obra barata e até mesmo guerras.

Painita

Painita do Myanmar, 2 cm de comprimento.

 

Em 2005, O livro The Guinness World Records considerou a Painita como a gema mineral mais rara do mundo. Foi descoberta em Myanmar por um mineralogista inglês Arthur C.D.Pain em 1950, por décadas só eram conhecidos dois cristais desse mineral no mundo; por volta de 2005, esse número aumentou para menos de 25 espécimes.

 

Sua fórmula química contém cálcio, zircônio, boro, alumínio e oxigênio (CaZrBAl9O18), além de vestígios de cromo e vanádio. As cores da Painita variam de rosa a vermelho e marrom, mostrando diferentes matizes em diversos ângulos e, quando posta sobre a luz ultravioleta,  essa gema emite uma linda tonalidade verde fluorescente.

Opala Negra

 

Opala Negra Etíope.

 

A opala negra é a mais rara e valiosa de todas as opalas. Esta gema sempre tem a cor de fundo escura, que contrasta lindamente com os brilhos multicoloridos naturais da Opala. Quanto mais brilhante e mais nítidas as cores contrastantes, o mais valiosa a amostra de Opala negra.

Pode ser encontrada em antigas fontes termais e seu preço pode chegar a 20.000 dolarés por quilate.

Musgravite

Musgravite

 

Musgravite é um membro extremamente raro da família Taaffeit que foi descoberto pela primeira vez em 1967 na Faixa de Musgrave, no sul da Austrália, mas mostrou-se em quantidades limitadas na Groenlândia, Madagascar, e na Antártica.

Sua dureza na escala de Mohs está entre 8 e 8.5, apenas oito desses espécimes tem sua existência comprovada. Seu valor por quilate chega a 35.000 dólares.

 

Alexandrita

Efeito alexandrita

 

Alexandrita é uma incrível gema, ela pode se mostrar em uma variedade de cores (efeito alexandrita) dependendo da natureza da luz ambiente. O efeito alexandrita é o fenômeno observado na mudança de cor de verde para vermelho com a mudança na fonte de iluminação. Para deixar claro: a variação de cor é independente do ângulo de visada; uma gema que muda de cor com o ângulo de visada é conhecida como pleocróica, e enquanto a alexandrita possui um forte pleocroísmo, ela também muda de cor independentemente do ângulo de visada, dependendo somente da fonte de luz.

Seu preço por quilate pode chegar a 100.000 dólares.

 

Poudretteite

 

Poudretteite

 

Os primeiros vestígios de Poudretteite foram descobertos em meados dos anos 1960 na pedreira Poudrette de Mont Saint Hilaire, Quebec, mas não foi reconhecida oficialmente como uma nova espécie de mineral até 1987 e não foi completamente descrito até 2003 onde se descobriram mais espécimes dessa gema no Myanmar.
 

Grandidierite

 

Grandidierite

Grandidierite é um mineral e uma gema extremamente rara que foi descoberta no ano de 1902 no Sul de Madagáscar. O mineral foi nomeado em honra do explorador francês Alfred Grandidier (1836–1912) que estudou a história natural de Madagáscar.Como as raras gemas Alexandrita e Tanzanita, o Grandidierite muda de cor a depender da fonte de luz, e pode transmitir as cores azul, verde e branco.

Benitoíte

Benitoíte.

 

Primeiramente descrita em 1907 por George D.Louderback, que a nomeou pela sua ocorrência próxima ao rio San Benito na Califórnia. Ela possui uma forte cor azul e emite dispersão de luz similar ao diamante. Sob a luz ultravioleta, ela irradia uma intensa cor azul. Elas são encontradas normalmente menores que um quilate, porém já foram encontradas espécimes de até 15.42 quilates.
 

Jeremejevite

 

Jeremejevite

Jeremejevite é um mineral de borato de alumino. Seu nome provém do mineralogista russo Pavel Vladimirocih Eremeev. Ela ocorre como uma fase hidrotermal tardia em pegmatitos graníticos associados a albita, turmalina, quartzo e raramente gipsita.


Serendibite

 

Serendibite

 

Serendibite é um mineral extremamente raro que foi descoberto em 1902 na Sri Lanka por Dunil Palitha Gunasekera, que o nomeou pelo antigo nome árabe para Sri Lanka (Serendib).

O mineral é encontrado em Skarns associados com metassomatismo de boro em rochas carbonáticas intrudidas por granitos. Minerais que ocorrem junto a Serendibite incluem Diopsídio, Flogopita, Calcita, Tremolita, Apatita, Grandidierita, Pargasita, Fosterita, Grafite, entre outros.

 

Berilo Vermelho

Berilo Vermelho.

 
Também conhecido como esmeralda vermelha, ou esmeralda escarlate foi descrita pela primeira vez em 1904. A sua distribuição mineral conhecida é limitada a partes de Utah e Novo México. Os preços do berilo vermelho lapidado podem atingir até 10.000 dólares por quilate.

Nota: A matéria veiculada acima é uma tradução livre da máteria postada pela Geology IN.

Siga-nos: Geologando no Facebook | Geologando no Instagram

 

1 comentário

  1. André Goulart Holsbach em outubro 30, 2019 às 7:51 pm

    “Perto das pedras preciosas não há dias cinzentos. Todos os dias são coloridos.” A gemologia é rara, mágica, sublime. Trata-se de uma especialidade da geologia que estuda as pedras preciosas. Sob um viés geológico-sustentável, o ensino da geologia deve servir como instrumento formador de uma cultura sustentável. É vital para o desenvolvimento de uma sociedade!

    O que faz andar a estrada?
    É o sonho!
    Enquanto a gente sonhar.
    A estrada permanecerá viva.
    (Mia Couto)

    Leia mais no: https://www.geologando.com.br/2017/07/30/gemasraras/

Deixe seu comentário