Top 10 Minerais Tóxicos

COLORADOÍTA

Coloradoíta

Coloradoíta, também conhecida como telureto de mercúrio (HgTe), é um raro telureto associado com minérios de depósitos metálicos (especialmente ouro e prata). O ouro geralmente ocorre dentro de teluretos (p. ex. Coloradoíta) como um metal nativo muito fino (FADDA et al., 2005).

A busca pela mineração levou a descoberta de minérios de teluretos que se encontravam associados com metais. Os teluretos estão encravados dentro desses minérios de metais preciosos. A coloradoíta é um membro de coordenação da subclasse de teluretos sendo um componente covalente que é isoestrutural com a esfalerita (ZnS) (Povarennyh, 1972). Suas propriedades químicas são altamente usadas para distingui-los de outros teluretos. A primeira descoberta foi no Colorado em 1877, outros depósitos contendo coloradoíta têm sido descobertos desde então. Embora desempenhe um importante papel na geologia de minerais, a coloradoíta também é usada para outros propósitos.

 

CALCANTITA

Calcantita

A calcantita, a qual o nome é derivado do grego, chalkos e anthos, significa flor de cobre, é um colorido mineral de sulfato azul e verde solúvel em agua CuSO4.5H2O. É comumente encontrada em estágios tardios de zonas de oxidação de depósitos de cobre. Devido a sua alta solubilidade, a calcantita é mais comum em regiões áridas.

Calcantita é um pentahidrato e o mais comum membro de um grupo de sulfatos hidratados similares, o grupo da calcantita. Esses outros sulfatos são idênticos em composição química a calcantita, com exceção das substituições de cobre por outros íons como o manganês (jokokuita), ferro (siderotil), ou magnésio (pentahidrita).

Outros nomes incluem pedra azul, vidro azul, e cobre vítreo.

 

HUTCHINSONITA

Hutchinsonita

A hutchinsonita é um sulfosal de tálio, arsênio e chumbo (Tl, Pb)2As5S9. É um raro mineral hidrotermal.

Ele foi descoberto pela primeira vez em Binnental na Suíça em 1904 e nomeada pelo mineralogista de Cambridge Arthur Hutchinson, F.R.S. (1866-1937).

 

GALENA

Galena

Galena, também chamada de chumbo brilhoso, é um mineral de sulfeto de chumbo. É o mais importante minério de chumbo e uma importante fonte de prata.

Galena é um dos mais abundantes e disseminados minerais de sulfeto. É cristalizado no sistema cúbico mostrando, frequentemente, formas octaedrais. É frequentemente associado com os minerais esfalerita, calcita e fluorita.

 

ASBESTOS

Asbesto

Asbestos é um conjunto de seis minerais silicáticos, os quais todos tem em comum seus hábitos asbestiforme: longo (aproximadamente 1:20 de relação largura comprimento), finos cristais fibrosos, com cada fibra visível composta por milhões de “fibrilas” microscópicas que podem ser liberadas por abrasão e outros processos. Eles são comumente conhecido por suas cores, como os asbestos azuis, os marrons, os brancos e os asbestos verdes.

No início dos anos 1900, pesquisadores começaram a noticiar um grande números de mortes prematuras e problemas de pulmão em cidades que tinham minerações de asbestos. O primeiro destes estudos foi conduzido pelo Dr. H. Montague Murray em 1900 no hospital Charing Cross em Londres onde investigações pós morte de um homem que havia morrido de fibrose pulmonar após ter trabalhado por 14 anos em uma fábrica têxtil de asbesto, descobriram traços de asbestos nos pulmões da vítima. Adelaide Anderson, o inspetor de fábricas na Grã-Bretanha, incluiu os asbestos em uma lista de substancias industriais prejudiciais à saúde em 1902. Investigações similares foram conduzidas na França e na Itália, em 1906 e 1908, respectivamente.

 

ARSENOPIRITA

Arsenopirita

A arsenopirita é um sulfoarsenieto de ferro (FeAsS). É um metal duro (Mohs 5,5-6), opaco, cinza a prata com densidade relativamente alta de 6,1. Quando dissolvida em ácido nítrico, é liberado o elemento enxofre. Ao ser esquentada a arsenopirita se torna magnética e libera fumaças tóxicas. Com 46% de conteúdo de arsênio a arsenopirita é o principal minério de arsênio. Quando depósitos de arsenopirita veem a ser expostos na atmosfera o mineral é vagarosamente oxidado, convertendo o arsênio em óxidos que são mais solúveis em agua, levando a drenagem de minas ácidas.

O habito cristalino, dureza, densidade, e cheiro de alho quando golpeada são diagnósticos do mineral. A arsenopirita pode ser referida por antigas literaturas como “mispickel”, um nome de origem alemão.

A arsenopirita também pode estar associada com significativas quantidades de ouro. Consequentemente, ela serve como um indicador de níveis que contem ouro. Muitos minérios de ouro com arsenopiritas são refratários, isto é, o ouro não é facilmente liberado da matriz do mineral.

Ela pode ser encontrada em veios hidrotermais de alta temperatura, em pegmatitos, e em áreas de metamorfismo de contato ou metassomatismo.

 

TOBERNITA

Tobernita

Tobernita, a qual o nome é derivado do químico suéco Torbern Bergman (1735-1784), é um mineral radioativo verde de fosfato hidratado de cobre e urânio encontrado em granitos e outros depósitos de urânio como mineral secundário. A tobernita é isoestrutural com um mineral de urânio, a autunita.

A fórmula química da tobernita é similar à da autunita em que um cátion de Cu2+ substitui um de Ca2+. O número de moléculas de agua hidratada pode variar entre 12 e 8, dando origem a variedade metatorbernita quando a tobernita se desidrata espontaneamente.

Os nomes mais comuns para tobernita são uranita de cobre e cupro-uranita.

 

STIBNITA

Stibinita

A stibinita, as vezes chamada de antimonita, é um mineral de sulfeto com a fórmula Sb2S3. Este material macio e cinzento cristaliza em um grupo de arranjo ortorrômbico. É a mais importante fonte do metaloide antimônio. O nome é do Grego (στίβι) do latim stibium tanto do antigo nome do mineral como do elemento antimônio.

 

AURIPIGMENTO

Auripigmento

Auripigmento (também ouro-pimenta, ouro-pigmento) é um mineral de sulfeto de arsênio laranja amarelado com fórmula química As2S3. É encontrado em fumarolas vulcânicas, veios hidrotermais de baixa temperatura, e em fontes termais, sendo formada por sublimação e como um subproduto de decaimento de outro mineral de arsênio, realgar. O mineral tem esse nome do latim auripgmentum (aurum – ouro + pigmentum – pigmento) por causa da sua profunda cor laranja amarelado.

 

CINÁBRIO

Cinábrio

O cinábrio se refere ao mineral de sulfeto de mercúrio e brilho escarlate com fórmula (HgS). É a fonte mais comum de minério para o refinamento do elemento mercúrio. E sua histórica cor vermelha escarlate brilhante é associada a pigmentos vermelhos de mercúrio.

O cinábrio ocorre geralmente preenchendo veios minerais associados com atividades vulcânicas recentes e fontes termais alcalinas. O mineral se assemelha ao quartzo em simetria e na birrefringência; tem um índice de refração de ~3,2, e dureza entre 2 e 2,5 e densidade de ~8,1. A sua cor e propriedades derivam de um estrutura que é uma rede cristalina romboédrica pertencente ao sistema cristalino hexagonal, e que ainda podem exibir germinações.

O cinábrio tem sido usado por sua cor desde a antiguidade no oriente, incluindo como cosméticos do tipo rouge, no novo mundo desde a cultura Olmeca, e na China desde o começo da dinastia Song, onde foi usado como artigos de decoração.

As precauções modernas sobre o uso e manuseio do cinabrio se deve a toxicidade do elemento mercúrio, que foi reconhecido ainda na Roma antiga.

Nota: A matéria veiculada acima é uma tradução livre da matéria postada pela Geology Page

 

Siga-nos: Geologando no Facebook | Geologando no Instagram

 

Deixe seu comentário